domingo, 25 de junho de 2017

Como eu me sinto quando não sou bem sucedido

Como eu me sinto quando não sou bem sucedido

É importante compreender que, desde quando Adão e Eva cederam na primeira tentação no Jardim do Éden, o fracasso tem sido uma parte da nossa experiência humana. Como portadores da imagem de Deus, somos capazes de coisas notáveis. Mas, como portadores de imagens caídas, somos simultaneamente capazes de terríveis coisas. De pequenos erros a colapso colossais, estamos muito familiarizados com a dor e a vergonha do fracasso. Mas, na Sua graça, Deus redime as falhas do Seu povo, e Ele os usará para moldar e formar nossas vidas.


A beleza do evangelho

O coração humano anseia por justificação. É por isso que quando nos sentimos derrotados ou culpados, procuramos um bode expiatório para carregar as nossas culpas, porque queremos dividir estes sentimentos. Nossa tendência natural é buscar validação pessoal em nossos sucessos, garantindo legitimidade por nossas realizações.

Então, cada empreendimento falhado seja em grau pobreza, um processo de falência, um casamento quebrado ou simplesmente um momento embaraçoso, aponta nossa fraqueza, loucura e imperfeição, ou seja, nossa falta de justiça.

Essa dor para a justificação, para aprovação nos olhos dos outros, é a camada superficial de uma dor mais profunda que temos para sermos aprovados aos olhos de Deus. O que realmente precisamos é a aprovação, validação e aceitação daquele que, em última instância, importa. Precisamos ser justificados diante de Deus. Este é um presente possível, se acreditarmos de coração no evangelho de Cristo.

"Nós sabemos que uma pessoa não é justificada pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo" ( Gálatas 2:16 ). A boa notícia do evangelho é que podemos ser declarados justos diante de Deus através da fé em Jesus, além de nossas realizações e diante de nossas falhas contínuas.

O evangelho é um grande intercâmbio: Jesus carrega todos os nossos fracassos e é condenado para que, pela fé, possamos suportar a Sua justiça e ser aceitos por Deus. Através da fé em Jesus, somos perdoados e adotados como filhos queridos de Deus, amados pelo Pai tanto quanto Jesus é amado pelo Pai.

Nenhum sucesso poderia conferir esse status a nós. Então, quando falhamos, não precisamos ser abalados no núcleo. Pois, o evangelho diz mais sobre nós do que as nossas falhas. O veredicto que Deus fala sobre nós supera qualquer outro veredicto falado sobre nós por nossas vozes ou as vozes dos outros. Deus usa nossos fracassos para nos libertar da justiça e nos apontar para Jesus, em quem encontramos uma justiça suficiente para nossa confiança, valor e alegria inabalável. Em Cristo, o poder do amor salvador e justificador de Deus pode lavar a vergonha e a aversão de nosso pecado e fracasso.


Os ídolos de nossos corações

Quando definimos o fracasso e as falhas que mais tememos, revelamos o que estamos construindo em nossa identidade. Nossos medos também revelam o que valorizamos em nossos corações. O apóstolo Paulo testificou em  Filipenses 3: 8: "Perdi todas as coisas e as considero como lixo, para que eu possa ganhar Cristo".

O Senhor Jesus foi o último prêmio de Paulo. Jesus era a única coisa que vale a pena perder todas as coisas para ter. É por isso que Paulo poderia perder tudo e ainda se alegrar. Paulo havia ordenado seus amores com justiça, valorizando supremamente o que era extremamente valioso. Seu grande objetivo era conhecer, amar, servir e se tornar como Jesus. Este é o maior esforço do coração humano.

Desta forma, o sucesso final é conhecer, amar, servir e tornar-se como Ele; Não fazer isso é o fracasso final. Então, quando o negócio se dobra, o relacionamento se desmorona, ou seus planos de parentalidade não funcionam, você pode sofrer o fracasso, mas não ser desfeito por ele. A perda é dolorosa, mas as coisas que perdemos não são nosso prêmio e objetivo final. Nós temos Cristo, o valor supremo, a pérola de grande preço, e Ele é o suficiente.

A fome da redenção final

Se estamos em Cristo, um futuro glorioso nos espera. Nossos pecados, sofrimento e, finalmente, a morte são lembretes brilhantes da realidade do nosso fracasso. Mas no final, em um piscar de olhos, seremos criados para uma vida indestrutível e nos desculparemos da vergonha para sempre ( 1 Cor. 15: 42-56 ).

Um dia, seremos glorificados, finalmente livres do pecado, sofrimento, fracasso e fragilidade ( Romanos 8: 18-23 ). Brilharemos como o sol no reino de nosso Pai ( Mt 13:43 ), e governaremos e reinaremos com Cristo nos novos céus e terra nova ( Romanos 8:17 ). A alegria, a beleza e a perfeição infinitas nos aguardam.

Mas ainda não é esse dia, pois nós ainda falhamos e caímos e fazemos coisas feias, o que nos lembra que não somos o que um dia nos tornaremos. Se removermos a dor do nosso fracasso, a glória será despertada em nossos corações, que alimentará maior fidelidade e paixão pelo reino de Deus. No final, a falha falhará, e nós reinaremos.

Então, dizemos com o apóstolo João: "Amém! Venha, Senhor Jesus! "


Tags: Falha , Idolatria , Sucesso na Vida , Sucesso no Ministério

0 comentários:

Postar um comentário